Buenos Aires á noite


noche2.jpg noche3.jpg noche1.jpg

Concertos, festivais, teatro, cinema, reuniões em cafés. “Milongas” e casas de tango, pubs, discotecas e boliches. A atividade noturna em Buenos Aires é permanente.
A partir das 19 (no inverno já escureceu faz uma hora, e no verão quando está começando a entardecer) se pode começar a viver a noite portenha (que recém termina quando aparecem as primeiras luzes do dia).

Antes ou depois do jantar?

Em Buenos Aires não se costuma jantar antes das 21 h, mas a oferta da cidade está preparada para todos os gostos, paladares e possibilidades econômicas.

Aqueles que preferem jantar cedo e depois sair para ouvir música, ir ao teatro ou fazer compras podem escolher um pub do centro ou de Recoleta, um setor de alimentação nos shoppings (que funcionam enquanto o centro comercial está aberto) ou um restaurante.

Mas também se pode jantar, mesmo de segunda a sexta-feira, até depois da 1 da manhã, quando terminam algumas obras de teatro e está por começar a última função dos cinemas.

Peñas

O folclore tem uma forte presença na atividade cultural, através das “peñas criollas”. Todas oferecem espetáculos musicais, salões de dança, comidas e bebidas típicas, aulas abertas de dança. Além dos shows, também se organizam partidas de “truco” (jogo de baralho). Muitas das “peñas” possuem uma identidade musical definida: se especializam em músicas típicas das diferentes regiões da Argentina. O Abasto, San Telmo e Palermo são os bairros onde se encontram a maioria dessas atividades.

Zamba, chacarera, baguala, huayco:

A Argentina é um país com diferentes identidades e tradições culturais. Cada região do interior se caracteriza por algum estilo musical e dança que, em total, formam o folclore nacional. Assim, o "chamamé”, a “zamba” e a “chacarera”, a “baguala” ou o “huayco” são tocados com características próprias em cada região.

Jazz

Em Buenos Aires existem lugares dedicados exclusivamente ao jazz.
Os programas são variados (é preciso ver a agenda) e percorrem todas as variedades desse estilo: do hot até as expressões mais modernas.

Os artistas locais —Oscar Alemán, Mono Villegas, Gato Barbieri, Roberto Fats Fernández, Hugo Pierre e Jorge Navarro Gustavo Bergalli, entre outros—deram ao jazz um lugar importante em Buenos Aires. E criaram, em muitos casos, novas texturas e sonoridades através das fusões com o tango e a música rio-platense.

Bares Notáveis

Tradicionais, alternativos, famosos, de entretenimentos, esportivos, literários. O bar é o lugar ideal para ler, bater papo com os amigos, navegar pela internet, assistir desfiles, comprar artesanatos, ouvir música ao vivo, assistir televisão. Também para discutir sobre política, cinema, literatura ou futebol.

Entre os mais antigos estão o Tortoni e 36 Billares, na Avenida de Mayo; La Giralda e La Paz, em Corrientes; o Británico no Parque Lezama; Las Violetas, em Medrano e Rivadavia; La Biela em Recoleta e La Academia, em Callao e Corrientes.

Alguns bares passaram a fazer parte —oficialmente— do patrimônio cultural da Cidade. São considerados famosos aqueles bares, bilhares ou cafés relacionados com fatos ou atividades culturais importantes; aqueles que por sua antigüidade, design arquitetônico ou importância local, têm um valor próprio.

O bar dos famosos: Quinquela Martín, Juan de Dios Filiberto, Alfonsina Storni, Carlos Gardel, Federico García Lorca, Luigi Pirandello, Nalé Roxlo e Xul Solar foram alguns dos freqüentadores assíduos do Café Tortoni na Avenida de Mayo 825/29.